Volta às aulas em SC: consumidor procura preço sem esquecer da qualidade

Os catarinenses pretendem gastar R$ 250,66, diante de R$ 241,95 do ano passado


As vendas de material escolar voltam a aquecer o comércio em Santa Catarina no início de fevereiro e, com a economia retraída, os consumidores pesquisam mais e são cautelosos. Os catarinenses pretendem gastar R$ 250,66, diante de R$ 241,95 do ano passado. O gasto médio em Itajaí deve ser o maior do Estado (R$ 291,41), enquanto os chapecoenses devem ser os mais econômicos (R$ 220,17). Apesar de ser maior em termos nominais, o gasto médio cresceu menos do que a evolução dos preços no período, conforme a pesquisa da Fecomércio SC e FCDL SC, que traça o perfil do consumidor para a data.

"A pesquisa de volta às aulas de 2016 revela que o consumidor optará por estratégias que tragam economia, como pesquisar preços em várias lojas, procurar promoção e descontos. Contudo, ele não pretende abrir mão da qualidade do produto. O empresário terá que buscar o equilíbrio entre preço atrativo e qualidade para conquistar o cliente neste cenário de retração”, afirma o presidente da Fecomércio SC, Bruno Breithaupt. Para Ivan Tauffer, presidente da Federação das CDLs, “os lojistas estão encontrando clientes muito exigentes, comparando a qualidade e os preços. A captação e fidelização dos pais de alunos têm sido um exercício desafiador, exigindo muita inteligência e matemática”, considera Tauffer.

Acesse a pesquisa completa no site da Fecomércio SC.