Mais de 90% dos turistas pretendem voltar a SC na próxima temporada, aponta pesquisa

Sob a perspectiva dos empresários de diversos setores de comércio e serviços, impactados diretamente pela movimentação de turistas, a temporada reaqueceu o mercado de trabalho: 26,7% dos estabelecimentos contrataram colaboradores temporários para atender a demanda. Os maiores percentuais de contratação foram em Imbituba e São Francisco do Sul.



Mais de 90% dos turistas pretendem voltar a SC na próxima temporada, aponta pesquisa

A chamada 'supertemporada' 2015/2016 consolidou o turismo como um dos motores da economia em Santa Catarina e atraiu os olhares para um dos destinos mais dinâmicos do país. Nesta sexta-feira (29), a Fecomércio SC apresentou os resultados da Pesquisa de Turismo - que mapeou o perfil de quem visitou o litoral catarinense neste verão e os impactos para os empresários - e debateu com representantes do trade as soluções para a próxima temporada.


Confira a pesquisa na íntegra​


O evento reuniu Filipe Mello (Secretaria Estadual de Turismo, Cultura e Esporte), Valdir Walendowsky (presidente da Santur), Vinicius Lummertz (ex presidente da Embratur), Fernando Willrich (vice-presidente de turismo da Fecomércio SC), João Moritz (presidente da Câmara Empresarial de Turismo da Fecomércio SC), entre outras lideranças empresariais.


“A pesquisa aponta que a estada foi considerada positiva, tanto que mais de 91% dos turistas têm intenção de voltar. Os meios de hospedagem e a receptividade dos moradores foram muito bem avaliados, o que ajuda a fidelizar o “cliente” de Santa Catarina. O levantamento desses dados devem suprir uma lacuna estatística do setor e trazer indicadores que possam orientar a atividade turística, tanto para as empresas, como para o governo”, avalia Willrich.


Os dados foram levantados em quatro pontos do Litoral: Florianópolis, Balneário Camboriú (Litoral Norte), Imbituba (Sul) e São Francisco do Sul (Norte) para englobar os diferentes comportamentos em cada região.



Raio-x do setor

Neste ano, o estado recebeu um público flutuante maior do que a própria população, estimada em sete milhões. Em média, o maior número de turistas está na faixa etária dos 31 aos 50 anos (50,6%) e é casado ou em união estável (60,3%), com leve predominância do sexo feminino (50,7%). Destaque para o público acima dos 60 anos, que teve maior representatividade em Balneário Camboriú (13,9%), índice de casados em São Francisco do Sul (mais de 70%) e de solteiros em Florianópolis (44,1%).

Embora os hermanos tenham vindo em peso a SC (18,1%), mais do que o dobro de 2015 (7,6%), os brasileiros representaram a maior fatia dos turistas (76,6%), vindos especialmente do RS e PR. A Capital recebeu o maior percentual de turistas estrangeiros (45%). Já em Imbituba, o número de argentinos saltou de 8% no ano passado para 25,7% em 2016, mais do que triplicou.

“O estado de São Paulo é um grande emissor de turista no país e nós recebemos apenas 10% desse público na temporada, atrás do gaúcho (28,8%), paranaense (28,2%) e interno (24,3%). Temos um potencial para explorar”, afirma Walendowsky.

Mais da metade (52,8%) dos frequentadores do Litoral Catarinense estão si