FACISC defende fórum permanente pela melhoria das rodovias catarinenses

A criação de um fórum para discussões permanentes, a elaboração de uma pauta unificada e a concentração das forças catarinenses para uma campanha em Brasília junto aos representantes públicos foram algumas das iniciativas propostas pelo vice-presidente da indústria da FACISC, André Gaidzinski, durante audiência pública na Assembleia Legislativa, que debateu nesta quarta-feira (05/9) a situação das rodovias de Santa Catarina.


“O encontro foi muito oportuno principalmente no atual momento econômico que vivemos, pois sabemos quantas vidas já se perderam e o quanto custa a falta de infraestrutura para as empresas. Por isso apoiamos um fórum para discussão, uma agenda de prioridades e a união dos representantes para levar o assunto aos políticos em Brasília”, destacou Gaidzinski.

Na ocasião foram discutidas as ações previstas, plano de investimento, condições das BRs: 101, BR 282, BR 470, BR 280, BR 116, BR 153, BR 158 e BR 163. No caso das BR 470, a discussão será em torno da duplicação. Já na Grande Florianópolis, o contorno viário, que está em execução, mas deve ter atraso.

Também representaram a Federação no encontro o vice-presidente para a Grande Florianópolis, Robson Rodrigo de Carvalho e a vice-presidente para a regional Norte,Eluísa Hertel Maiochi, que destacou o trabalho que já vem sendo realizado pela FACISC, com a elaboração do caderno Voz Única e a campanha iniciada em agosto juntamente com as Associações Empresariais da região Norte (Araquari, Corupá, Garuva, Guaramirim, Itapoá, Joinville, Massaranduba, Penha, São Francisco do Sul e Schroeder) para acelerar o processo de duplicação da BR 280, a revitalização e demais melhorias da Rodovia.

“Ficamos satisfeitos que é unânime a opinião que é urgente haver a união de todos para acelerar as ações para a duplicação. Pois, a sociedade não pode mais pagar com vidas perdidas em acidentes e as empresas com o seu crescimento estagnado por conta da falta de infraestrutura”, destacou vice-presidente da Facisc, Eluísa Maiochi.

Outras Federações, sindicatos, Dnit, Arteris-Autopista Litoral Sul, Antt e lideranças empresariais e políticas participaram do encontro que foi promovido pela Comissão de Transportes e Desenvolvimento Urbano e proposta pelo deputado Milton Hobus.

Conforme Hobus, a ideia é garantir unidade de voz e de encaminhamentos para que Santa Catarina possa ser olhada de modo diferente. Na opinião dele, a previsão é de um futuro sombrio para a economia catarinense. “O modelo atual precisa ser revisto, pois se não fizermos o dever de casa e nos unirmos, a economia de Santa Catarina vai quebrar”, declarou.

O próximo passo, segundo o proponente da audiência pública, é solicitar uma manifestação do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) sobre a situação das rodovias federais no estado e as necessidades mínimas de recursos para manutenção em 2016 e 2017.

A proposta é elaborar um documento com um plano de investimentos necessários para toda a malha rodoviária catarinense. Conforme Hobus, deve ser estabelecida uma ordem de prioridades, com valores mínimos e prazos para concessões e liberação de recursos. A iniciativa contará com a participação de representantes de federações. Em seguida, uma nova audiência pública será agendada para a apresentação da versão final do relatório.