Monitoramento aéreo registra 36 baleias-francas entre Florianópolis (SC) e Torres (RS)


No último domingo, 15 de julho, a SCPar Porto de Imbituba realizou o primeiro sobrevoo da temporada 2018 do Programa de Monitoramento de Cetáceos no Porto de Imbituba e Adjacências. O monitoramento aéreo foi realizado em toda a extensão da Área de Proteção Ambiental (APA) da Baleia Franca, de Florianópolis (SC) a Balneário Rincão (SC), local de maior concentração da espécie, estendendo-se até Torres (RS). Ao todo, 36 baleias-francas (Eubalaena australis) foram avistadas, índice extremamente positivo se comparado ao mesmo período de 2017, quando foram encontradas 29 baleias.

Julho a novembro é o período em que a espécie utiliza o litoral catarinense para acasalar, procriar e amamentar sua cria, tornando o Estado de Santa Catarina a principal área de concentração reprodutiva de baleias-francas na costa brasileira. No primeiro monitoramento aéreo de 2018 foi constatada a presença de 13 pares de mães com filhote (totalizando 26 baleias) e 10 baleias-francas adultas solitárias. Estes indivíduos podem ser fêmeas que estão grávidas ou machos a procura de fêmeas receptivas ao acasalamento.

A maior concentração de baleias foi avistada em Imbituba, principalmente nas praias do Rosa, Barra de Ibiraquera, Ribanceira e Itapirubá. Duas baleias acompanhadas de seus filhotes estavam com rede de pesca, uma na Praia da Silveira, em Garopaba, e outra na Barra de Ibiraquera. O sobrevoo também constatou dois grupos de golfinhos. O primeiro grupo estava se deslocando com filhotes da Barra de Ibiraquera para a praia do Rosa. Os indivíduos eram da espécie Tursiops truncatus, popularmente conhecida como golfinho-nariz-de-garrafa ou boto da tainha, mesma espécie que realiza a pesca cooperativa em Laguna, junto aos pescadores. Não foi possível identificar a espécie do segundo grupo.

Este é o primeiro dos três sobrevôos que são realizados anualmente. O próximo está previsto para setembro, pico de reprodução da espécie; e o último para o fim da temporada, em novembro. Durante o monitoramento aéreo ocorre o censo dos cetáceos, registrando sua localização e fotografando-os para posterior identificação. “Todos os animais avistados são catalogados por meio de fotografia das calosidades que elas têm em cima da cabeça, que são únicas para cada animal, como se fosse uma digital”, aponta Gilberto Ougo, oceanógrafo da Acquaplan Tecnologia e Consultoria Ambiental, atual contratada para executar o serviço.

O Programa de Monitoramento

Este é o 10º ano que o Porto de Imbituba realiza o Programa de Monitoramento de Cetáceos. Desde sua criação são utilizadas duas metodologias: o monitoramento aéreo e a observação terrestre dos mamíferos marinhos que visitam a região (baleias, golfinhos, etc.). Atualmente o Programa é realizado no âmbito do Plano de Controle Ambiental (PCA) da SCPar Porto de Imbituba, autoridade portuária, e executado pela empresa Acquaplan.

Conforme explica Camila Amorim, oceanógrafa da SCPar Porto de Imbituba, o objetivo do programa é monitorar a frequência dos cetáceos avistados na região do porto e compreender o comportamento deles frente às atividades portuárias. “Como os navios que chegam a Imbituba atravessam a APA da Baleia Franca, o monitoramento da frequência de pequenos e grandes cetáceos no entorno do porto, estudando o seu comportamento e acompanhando o tráfego de embarcações, evita possíveis interações negativas e promove maior segurança para a conservação da espécie em seu habitat natural”, destaca Camila.