Manifesto da Facisc sobre a Operação Carne Fraca


Imagem ilustrativa

A Federação das Associações Empresariais de Santa Catarina (Facisc) acompanha a divulgação da Operação Carne Fraca, deflagrada na última sexta-feira (17/3) pela Polícia Federal, que investiga empresas do setor alimentício envolvidas supostamente em um esquema de corrupção que liberava a comercialização de alimentos produzidos por frigoríficos sem a devida fiscalização sanitária. A entidade também manifesta preocupação sobre o ocorrido e mostra-se favorável às investigações e ao controle de qualidade dos produtos de origem animal tanto Santa Catarina, como em todo o país.

De acordo com o vice-presidente de Agronegócios da Facisc, Vincenzo Mastrogiacomo, que tem experiência técnica há mais de 40 anos, atuando em grandes empresas produtoras e exportadoras de carne, a Operação visou punir agentes do Ministério da Agricultura que estariam envolvidos em receber propinas para acobertar atos ilícitos que viessem a burlar o regulamento geral do Serviço de Inspeção Federal do Ministério da Agricultura (SIF), responsável pela inspeção dos abates, preparação e exportação de carnes de ave, suínas e bovinas.

"Mediante esses fatos foram lançadas suspeitas sobre a qualidade das carnes em 21 unidades do Brasil atacando indistintamente e de forma geral pequenas fábricas bem como grandes conglomerados, que somam cerca de 5.000 unidades industriais de produção de carnes existentes no país. A mídia revela carnes podres, adulteradas, sem condições de consumo, uso de aditivos químicos, porém nada foi apresentado como laudo, auditorias ou reclamações tanto do mercado interno como